ANÁLISE DE PROJETOS PARA OBRAS DE SANEAMENTO: METODOLOGIA, RESULTADOS E RECOMENDAÇÕES

ANÁLISE DE PROJETOS PARA OBRAS DE SANEAMENTO: METODOLOGIA, RESULTADOS E RECOMENDAÇÕES

Esse artigo foi premiado no VII Simpósio Brasileiro de Qualidade do Projeto no Ambiente Construído 2021 na categoria: Projetos de Edifícios e Equipamentos Públicos e de Interesse Social.

Veja o resumo a seguir, e o artigo completo aqui. 

Obras de infraestrutura têm como características a complexidade e multidisciplinaridade de projetos e grande quantidade de partes interessadas, o que aumenta sua sofisticação e necessidade de integração, sendo necessário considerar grande número de variáveis e incertezas. Diversos referenciais apontam como causa de falhas em obras a qualidade deficitária do projeto-design, gerando atrasos e retrabalhos, que podem ser ainda mais expressivos em projetos dessa natureza. A legislação vigente para licitações na administração pública não contempla com clareza requisitos mínimos para a licitação de projetos com qualidade específicos para a área de saneamento e observa-se a falta de equipe preparada para análises técnicas específicas. Buscando avaliar a qualidade de projetos praticada atualmente no setor face àquilo considerado suficiente, o presente trabalho realizou estudo de caso em 21 empreendimentos de saneamento em 18 cidades e 3 distritos do interior do Estado de São Paulo, e analisou-os conforme metodologia qualiquantitativa.
Os resultados apontam uma qualidade deficitária dos projetos, com mais da metade dos empreendimentos apresentando nota de suficiência de informações abaixo de 50%. Destacam-se as disciplinas fundamentais na etapa de projeto-desing de Serviços de Campo, Projeto Executivo e Concepção como áreas mais críticas. O estudo apresenta reflexões e recomendações para minimizar os problemas encontrados.

1574 – QUALIDADE DE PROJETOS DE SANEAMENTO: AVALIAÇÃO DE CRITICIDADE E RECOMENDAÇÕES

1574 – QUALIDADE DE PROJETOS DE SANEAMENTO: AVALIAÇÃO DE CRITICIDADE E RECOMENDAÇÕES

Obras de infraestrutura tem como características a complexidade e multidisciplinaridade de projetos e grande quantidade de partes interessadas, o que aumenta sua sofisticação e necessidade de integração, sendo necessário considerar grande número de variáveis e incertezas. Diversos referenciais apontam como causa de falhas em obras a qualidade deficitária do projeto-design, gerando atrasos e retrabalhos, que podem ser ainda mais expressivos em projetos dessa natureza. A legislação vigente para licitações na administração pública não contempla com clareza requisitos mínimos para a licitação de projetos com qualidade específicos para a área de saneamento e observa-se a falta de equipe preparada para análises técnicas específicas.

Buscando avaliar a qualidade de projetos praticada atualmente no setor face àquilo considerado suficiente, o presente trabalho realizou estudo de caso em 21 empreendimentos de saneamento em 18 cidades e 3 distritos do interior do estado de São Paulo, e analisou-os conforme metodologia quali-quantitativa. Analisou-se a criticidade das notas tendo como parâmetro metodológico a definição de três níveis, sendo alta criticidade as notas com até 30% de suficiência; média criticidade entre 31 e 55%, e baixa criticidade acima de 56% de suficiência. Foi identificada a preponderância de altas e médias criticidades desde os itens mais detalhados até agrupamentos por componentes ponderados.  As maiores taxas de criticidade (que correlacionam as notas de suficiência com o peso atribuído ao tema) foram encontradas em: parecer geotécnico e autorizações de concessionárias (com 100% de alta criticidade), seguido por serviço de campo, projeto executivo e caderno ambiental (com médias e altas criticidades). Do ponto de vista qualitativo, em função do caminho crítico no ciclo de vida do empreendimento padrão, os temas mais críticos foram: concepção e projeto executivo. De forma geral os resultados apontam para qualidade deficitária dos projetos, com mais da metade dos empreendimentos apresentando nota de suficiência de informações abaixo de 50%. O estudo apresenta reflexões e recomendações para minimizar os problemas encontrados, e recomendações para estudos que contemplem impactos nas fases subsequentes dos empreendimentos.

Veja o artigo completo aqui. 

 

ANÁLISE DE PROJETOS PARA OBRAS DE SANEAMENTO: METODOLOGIA COM BASE EM CHECKLIST, RESULTADOS E RECOMENDAÇÕES

ANÁLISE DE PROJETOS PARA OBRAS DE SANEAMENTO: METODOLOGIA COM BASE EM CHECKLIST, RESULTADOS E RECOMENDAÇÕES

Obras de infraestrutura tem como características a complexidade e multidisciplinaridade de projetos e grande quantidade de partes interessadas, o que aumenta sua sofisticação e necessidade de integração, sendo necessário considerar grande número de variáveis e incertezas. Diversos referenciais apontam como causa de falhas em obras a qualidade deficitária do projeto-design, gerando atrasos e retrabalhos, que podem ser ainda mais expressivos em projetos dessa natureza. A legislação vigente para licitações na administração pública não contempla com clareza requisitos mínimos para a licitação de projetos com qualidade específicos para a área de saneamento e observa-se a falta de equipe preparada para análises técnicas específicas.
Buscando avaliar a qualidade de projetos praticada atualmente no setor face àquilo considerado suficiente, o presente trabalho realizou estudo de caso em 21 empreendimentos de saneamento em 18 cidades e 3 distritos do interior do estado de São Paulo, e analisou-os conforme metodologia quali-quantitativa. Os resultados apontam uma qualidade deficitária dos projetos, com mais da metade dos empreendimentos apresentando nota de suficiência de informações abaixo de 50%. Destacam-se as disciplinas fundamentais na etapa de projeto-desing de Serviços de Campo, Projeto Executivo e Concepção como áreas mais críticas. O estudo apresenta reflexões e recomendações para minimizar os problemas encontrados.

Autores: Mariana Wyse (1), Guilherme Caetano do Nascimento (2), Flávia Sartorato Pedrotti (3), Lupércio Ziroldo Antônio (4)

Veja o artigo completo aqui. 

UM NOVO MODELO DE GERENCIAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS COMPLEXOS DE SANEAMENTO BÁSICO

UM NOVO MODELO DE GERENCIAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS COMPLEXOS DE SANEAMENTO BÁSICO

Este trabalho apresenta como foi estruturado o modelo de gestão adotado para a governança do empreendimento Sistema Produtor São Lourenço (SPSL), da Sabesp-SP, suportado pela Metodologia para Gestão de Programas e Empreendimentos (MGP) da Sabesp, contando, também, com outras práticas orientadas à governança de forma de mais específica.
O SPSL é um sistema produtor de água completo, composto por captação, elevação e adução de água bruta, tratamento, adução e reservação de água tratada, estendendo-se por oito municípios, com capacidade para tratar até 6.400 L/s, beneficiando até 2 milhões de habitantes da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), envolvendo dezenas de partes interessadas e aplicando novas tecnologias para vencer os desafios técnicos impostos pelo relevo (altas pressões de trabalho) e pela premência do tempo para execução das estruturas, além de sua realização ocorrer por meio de Parceria Público Privada (PPP). Essas características o classificam como empreendimento complexo e, como tal, precisou utilizar ferramentas adequadas de gestão, dentro de uma estrutura de acompanhamento desenhada para tal fim.
A estruturação para acompanhamento da fase de obras do SPSL contou com mais de 50 profissionais distribuídos em equipes destinadas a supervisão da execução das obras, auditoria da qualidade de processos e materiais, comunicação social, conformidade ambiental, apoio à gestão do contrato e gestão metodológica, de forma a garantir à Sabesp todas as informações necessárias à tomada de decisão, tempestivamente, permitindo a correção de rumos com antecedência, tonando-se um fator decisivo para a entrega do empreendimento dentro do prazo estabelecido.

PALAVRAS-CHAVE: Sistema Produtor de Água, Governança, Projeto Complexo, Empreendimentos, Sistema São Lourenço.

Autores: Arisnandes Antonio da Silva (1), Yolanda Toshie Tanikawa (2), Márcia Arce Parreira Martinelli (3), Silvio Leifert (4)

Veja o artigo completo aqui.

GOVERNANÇA DE UM PROJETO COMPLEXO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA – “SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO”

GOVERNANÇA DE UM PROJETO COMPLEXO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA – “SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO”

A Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), uma das maiores aglomerações urbanas do mundo, obteve aumento em sua segurança hídrica com a inauguração de um novo sistema produtor de água tratada, o “Sistema Produtor São Lourenço” (SPSL), que foi estruturado por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP) em um contrato de concessão administrativa para prestação de serviço público. Como diferencial, em relação a outros contratos, foi adotada a abordagem de realizar a “Gestão e Supervisão”, baseada na estruturação de uma governança específica para o empreendimento, em conformidade com os processos de gestão da “Metodologia para Gestão de Programas e Empreendimentos da Sabesp” (MGP), adicionando, entretanto, ferramentas para apoio às análises críticas realizadas com as principais partes interessadas, a fim de subsidiar as ações de planejamento, monitoramento e controle como suporte ao processo decisório da Sabesp, com tratativas e estratégias diferentes para cada uma, fato que permitiu aumentar as chances de sucesso do empreendimento.

Palavras Chave:Parceria Público-Privada, “Sistema Produtor São Lourenço”, Governança, Gestão de Programas e Empreendimentos, Partes Interessadas.

Autores: Arisnandes Antonio da Silva (a), Silvio Leifert (b), Márcia Arce Parreira Martinelli (c), Yolanda Toshie Tanikawa (d)

Veja artigo completo aqui.

 

 

 

GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS E AS MÍDIAS SOCIAIS: O CASO DO SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO

GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS E AS MÍDIAS SOCIAIS: O CASO DO SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO

Este trabalho apresenta de forma resumida o empreendimento “Sistema Produtor São Lourenço” e como foi estruturada a gestão do mesmo em conformidade com os processos de gestão da Metodologia para Gestão de Programas e Empreendimentos da Sabesp (MGP).
A estratégia para a gestão e supervisão do empreendimento, incluiu a definição e aplicação de processos e ferramentas para planejamento, monitoramento e controle de todas as ações relacionadas ao empreendimento, além do reporte para a alta administração da empresa e outras partes interessadas com postura colaborativa e participativa.
As fases de execução e operação assistida do empreendimento exigiram esforço muito grande para gerir todas essas partes interessadas, sejam internas ou externas ao empreendimento, com tratativas e estratégias diferentes para cada uma.
A intensificação da globalização, a mudança de percepção do cidadão em relação às questões ambientais, o advento das mídias sociais e a tendência de aprimoramento da regulação de determinados mercados, principalmente aqueles relacionados à execução de políticas públicas, ganharam preponderância para o gerenciamento de projetos no século XXI, os quais o gerente de projetos não pode ignorar, tendo que buscar uma nova forma de agir ou se posicionar de maneira a aumentar a chance de sucesso de seu empreendimento.

Veja artigo completo aqui. 

 

ESTRUTURAÇÃO E GESTÃO DO CONTRATO DE CONCESSÃO ADMINISTRATIVA DA PPP DO SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO

ESTRUTURAÇÃO E GESTÃO DO CONTRATO DE CONCESSÃO ADMINISTRATIVA DA PPP DO SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO

Este trabalho apresenta como foi estruturado o contrato de concessão administrativa (PPP) do Sistema Produtor São Lourenço (SPSL) e o modelo de gestão adotado para a governança do empreendimento em conformidade com os processos de gestão que estão em desenvolvimento através da MGP (Metodologia para Gestão de Programas e Empreendimentos) da Sabesp.
Esta estruturação contempla desde a modelagem do negócio com análise de riscos até a estratégia de gestão e supervisão do empreendimento adotado pela Sabesp, incluindo a definição e aplicação de processos e ferramentas para planejamento, monitoramento e controle de todas as ações relacionadas ao empreendimento, além do reporte para a alta administração da empresa

PALAVRAS-CHAVE: PPP, Sistema Produtor São Lourenço, Governança, Gestão de Programas e Empreendimentos.

Congresso ABES FENASAN 2017

V-022_2017

METODOLOGIA DE GESTÃO DE PROGRAMAS E EMPREENDIMENTOS (MGP): DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

METODOLOGIA DE GESTÃO DE PROGRAMAS E EMPREENDIMENTOS (MGP): DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

O objetivo deste trabalho é caracterizar a Metodologia de Gestão de Programas e Empreendimentos (MGP) da Sabesp, apresentando as suas etapas, a sua implantação e os consequentes resultados alcançados até o momento. O desenvolvimento da MGP partiu da necessidade de uniformizar a gestão dos empreendimentos na organização, no intuito de promover o atendimento das finalidades estabelecidas na Política Institucional de Investimentos da Companhia. A metodologia utilizada é o estudo de caso, de cunho qualitativo e as áreas que utilizam a MGP são as unidades caso deste trabalho. A aplicação da MGP, a partir das competências desenvolvidas e dos sistemas de informação, possibilitou que os Empreendimentos1 e consequentemente os Programas Estruturantes2 fossem otimizados sob o ponto de vista técnico, econômico e de gestão. Os resultados apontam ganhos qualitativos e quantitativos na entrega de instalações operacionais com maior controle de tempo e custo, sendo geridos dentro de uma estratégia abrangente que beneficia todas as partes interessadas.

PALAVRAS-CHAVE: Gestão de Empreendimentos, Gestão de Investimentos, Gestão de Programas, Project Management Institute (PMI).

Congresso ABES FENASAN 2017

V-051_2017

 

Artigo aprovado – 14º Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos PMI

Artigo aprovado – 14º Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos PMI

Como aumentar a maturidade em gestão de projetos por meio de um programa de desenvolvimento organizacional 

Este artigo apresenta como a criação de um Programa de Desenvolvimento Organizacional conseguiu elevar a maturidade em gestão de uma jovem empresa e colaborou para o seu desenvolvimento. Ao tentar sair da fase pioneira do seu ciclo de vida organizacional, a seus talentos foram aproveitados para alcançar a fase estruturada, quebrando o paradigma de “casa de ferreiro – espeto de pau” no que diz respeito à aplicação das melhores práticas de gestão. Hoje a empresa tem um sistema estruturado para gerenciamento de seus projetos, que foi elaborado de forma holística e integrada, garantindo sinergia entre ambiente organizacional, pessoas, processos e ferramentas.

Palavras-chave: Cultura de Projetos, Cultura Organizacional, Business Case, Lições Aprendidas em
Projetos, Desenvolvimento Organizacional

Artigo aprovado – 14º Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos PMI

projetos_seq06-5

 

GOVERNANÇA DE PROJETOS NA SABESP: PRÁTICAS ATUAIS E NOVOS DESAFIOS

GOVERNANÇA DE PROJETOS NA SABESP: PRÁTICAS ATUAIS E NOVOS DESAFIOS

Este trabalho apresenta os métodos de análise dos investimentos da Sabesp – Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo – que embasam as práticas de governança de projetos da empresa. O desenvolvimento destas análises, desde 2009, ano em que foram iniciadas, ocorre em paralelo aos ciclos de revisão e melhoria contínua da Metodologia de Gestão de Programas e Empreendimentos da Sabesp, buscando estabelecer um sistema integrado de gestão de projetos orientado a resultados.
No contexto atual de crise hídrica, as análises para governança de projetos ganham importância na sua relação com a projeção de cenários de seus investimentos e tomada de decisão estratégica pela alta administração da companhia. A partir das demandas cada vez maiores por informações assertivas e de inteligência de negócios, atualmente estão sendo desenvolvidos os processos de governança de portfólio, programas e projetos da Sabesp, que serão integrados aos sistemas
corporativos da empresa.

PALAVRAS-CHAVE: Governança, Gestão Integrada de Projetos, Gestão de Investimentos

26º Encontro Técnico AESABESP / Congresso ABES FENASAN 2015

PAP019060_2015